quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Discos Twenty Years - Echo & the Bunnymen "New Live and Rare"



As origens da banda remontam ao final dos anos 70, quando Ian McCulloch, Pete Wylie e Julian Cope formaram os The Crucial Three. Em 1978, Cope e Wylie deixam a banda para formar os Teardrop Explodes e os Whah!, respectivamente e McCulloch, juntamente com Will Sergeant, criaram o duo Echo, utilizando uma caixa de ritmos em substituição da bateria. No mesmo ano, o baixista Les Pattinson junta-se à banda, e realizam o seu primeiro concerto ao vivo no clube "Eric", em Liverpool, com o nome Echo & The Bunnymen.

Em Março de 1979 lançaram o primeiro single "Pictures on my wall" que lhes permitiu fazerem o primeiro concerto em Londres, com os Joy Division e Teardrops Explodes, onde conheceram Pete de Freitas que viria a ser chamado para tocar com a banda logo após a assinatura do contracto com a Korova. O primeiro trabalho "Crocodiles" foi lançado em julho de 1980 com grande sucesso. No ano seguinte lançam "Heaven up Here". Mantendo a tradição de um álbum por ano, no final de 1982 chega "Porcupine", considerado pela banda como um trabalho autobiográfico. Já em 1984, lançam o que foi considerado o melhor álbum da banda, "Ocean Rain", com o clássico "Killing Moon" que segundo Ian McCulloch é a música mais perfeita que ele fez. Em Novembro de 1985 lançaram a colectânea "Songs to Learn & Sing" que inclui o inédito, "Bring on the Dancing Horses". Em 1987 lançaram o álbum homónimo que foi considerado o trabalho mais pop da banda.

Em 1988 McCulloch saí da banda e a editora lança este "New Live and Rare", uma compilação de 7 temas ,constituída na sua maioria por versões, que não deixa de ser um tributo às bandas que foram as suas influências. Deste disco fazem parte versões de "People are Strange" dos Doors, "All you need is Love" dos Beatles, "Paint it Black" dos Rolling Stones, "Run Run Run" dos Velvet Underground, "Friction" dos Television e duas novas roupagens para os temas "Do it Clean" e "The Killing Moon".

video

No verão de 1989 a tragédia atingiu a banda com a morte por acidente de automóvel de Pete de Freitas. Apesar de, em pouco tempo, terem perdido o vocalista e o baterista, a banda tenta manter-se com um vocalista novo, Noel Burque e editam o fraco e desastrado "Reverberation" em 1990.

Depois de uma carreira a solo constituida por 2 trabalhos mas completamente falhada e de mais um deslize com o projecto Electrafixion, Ian McCulloch ressuscita os Echo que lançaram, em 1997, "Evergreen", um disco que passou quase despercebido. Em 1999 já sem o baixista Les Pattison, acontece mais um trabalho, "What Are You Going to Do With Your Life?". Passados dois anos lançaram "Flowers", considerado pela critica inglesa como um dos melhores discos da banda e no ínicio de 2002 seguiu-se um álbum duplo ao vivo, "Live in Liverpool". Em 2005 regressaram com "Siberia" para depois lançarem mais dois trabalhos ao vivo, "Me, I´m all Smiles" em 2006 e "Breaking the Back of Love" neste ano.

A primeira vez que visitaram Portugal foi no dia 31 de Julho de 1982, no Festival Vilar de Mouros onde, na altura, repartiram o palco com os Heróis do Mar e os Stranglers. Sem certeza, em 1985 vêm ao Infante Sagres do Porto. Vinte e três anos depois regressaram ao Festival de Vilar de Mouros a 29 de Julho.

1 comentário:

Barbed Wire disse...

Killing Moon é um dos melhores temas de sempre!
Julgo que foi em 97 ou 98 que os Echo também actuaram no Super Bock Super Rock!
Até breve... :)